Tag "inspiração"

  • 25 revistas gratuitas de Design

    Revistas de Design Gráfico são essenciais para consulta tanto por estudantes, iniciantes ou designer experientes. Não apenas para ficar por dentro de tendências ou novidades na área, mas para buscar inspiração principalmente nos momentos dos “brancos” e “bloqueios” criativos. Muitas das revistas são recheadas de fotos, ilustrações, logotipos, tipografia, manipulações de imagens, entrevistas, eventos, novidades, concursos e tudo mais que um designer gráfico pode querer numa publicação. A lista abaixo conté uma variedade de publicações para que você dê uma olhada mesmo que você só queira passar o tempo (que no nosso caso tempo ocioso na verdade é tempo para encher a mente de referências).

    Kromag

    kromag

    Bak Magazine

    bak

    MagWerk

    magwerk

    Breed Magazine

    breed-magazine

    Artzmania

    artzmania

    Castle Magazine

    castlemagazine

    Root Magazine

    root

    Etel Magazine

    etelmagazine

    IdeaFixa

    ideafixa

    RevolutionArt

    revolutionart

    Kino

    kino

    bitFUUL Magazine

    bitfuul

    Multilink Magazine

    multilink

    Destructed

    destructed

    Apocrifa

    apocrifa

    Moloko Plus

    moloko

    Blanket Magazine

    blanket

    ANTI

    anti

    Proteus Mag

    proteus

    Woosta

    woosta

    Wag

    wag

    Veer

    veer

    PDF Mags

    pdfmags

    Fonte: I can be criative

    continue lendo
  • O panfleteiro que virou referência no ensino de arte digital

    Aficionado por games, empreendedor transformou uma simples escola de informática em uma rede especializada em computação gráfica.

    http://exame.abril.com.br/assets/pictures/30465/size_590_Trabalho%20de%20alunos%20da%20Saga.jpg

    São Paulo – Apaixonado por videogames desde pequeno, Alessandro Bomfim cansou de levar bronca da mãe para deixar essas “bobagens” de lado. As tardes “perdidas” no fliperama e no Atari chegaram até a render a participações em competições de videogame na adolescência, mas, mesmo assim, Alessandro não conseguiu convencer a família de que o hobby era coisa séria. “Naquela época era visto como passatempo, algo que os pais recriminavam”, lembra.

    Aos 17 anos, decidiu sair de casa e trocou o Recife pelo Rio de Janeiro. “Tive que deixar o sonho de lado e começar a me virar. Lavei táxi, fui office boy, entregador de pizza de bicicleta, balconista, fazia de tudo para pode pagar o aluguel do quarto de pensão”, diz.

    Mas foi o emprego de “panfleteiro” em uma rede de ensino de informática que abriu as portas para que Alessandro pudesse finalmente reencontrar a paixão pelo universo dos games e transformá-la em negócio.

    “A rede vendia cursos básicos de Office e Windows. Eu ficava em um ponto em Copacabana chamando os clientes para ir às escolas”, conta. Alessandro, então com 19 anos, logo se destacou no posto e um ano depois entrava para a equipe de vendas externas. Mais um ano no cargo e veio uma nova promoção, desta vez para vendedor interno. Em 2001, com cinco anos de empresa, o jovem foi convidado a assumir a posição de gerente da unidade de Copacabana, a mais importante da rede.

    “Aceitei o cargo, mas, em vez de salário, pedi em troca um porcentual do negócio. Passei quatro meses sem receber nada porque a unidade dava prejuízo. Em seis meses, estava dando lucro”, diz. Animado com os resultados, Alessandro decidiu investir junto com um sócio para adquirir a unidade e transformá-la em uma escola própria, com um novo nome – AIS – e uma proposta diferente.

    “Queríamos fazer uma coisa mais avançada, que oferecesse um diferencial ao cliente”, explica o empreendedor. Inicialmente, os sócios investiram para reformar o ponto, adquirir equipamentos e melhorar os cursos. Aos poucos, a rede foi crescendo, com novas unidades abertas em São Paulo (2003), Salvador (2006) e Recife (2007). O portfólio de cursos também foi se sofisticando, com a inclusão de cursos de computação gráfica e produção de vídeo.

    Mas o ponto de virada do negócio aconteceu em 2008. “Comecei a viajar e observar as tendências no exterior. Percebi que estávamos ensinado os alunos apenas a usar o software[bb] do ponto de vista técnico, a ser apertadores de botão. Tínhamos que mudar a nossa filosofia”, lembra Alessandro.

    A rede foi rebatizada de Saga (School of Art, Game and Animation) e passou a forcar em cursos de arte[bb], games[bb] e animação[bb]. “O objetivo passou a ser desenvolver a parte criativa dos alunos, além da parte técnica. Decidimos formar artistas”, conta o empreendedor.

    A mudança nas escolas foi radical. As antigas máquinas deram lugar a equipamentos de R$ 6 mil, com CPUs[bb] poderosas e monitores LCD[bb] de 23 polegadas. Os professores passam a ser enviados para cursos de capacitação e reciclagem nos Estados Unidos – a cada seis meses um grupo é mandado às melhores instituições do ramo para aprimorar os conhecimentos.

    O investimento foi alto – cada unidade custa, em média, R$ 500 mil para ser implantada, cinco vezes mais que o custo para montar uma unidade no modelo antigo –, mas deu retorno. O faturamento da marca em 2010 foi de R$ 7,5 milhões. As seis escolas da rede, que antes tinham, em média, de 300 a 400 alunos, passaram a contar com cerca de 1 mil alunos cada.

    “No passado, o nosso aluno fazia um investimento muito baixo para aprender a usar um computador, mas saía para o mercado para ganhar salário mínimo. Hoje formamos profissionais especializados, que já saem daqui ganhando R$ 3 mil, R$ 4 mil”, diz. “Ninguém mais pode dizer que a carreira em games não dá futuro”, brinca.

    Além de aumentar a receita da escola, a transformação reaproximou cada vez mais Alessandro do seu hobby de infância e adolescência. Além de ter seu próprio curso focado na produção de games, a escola firmou um acordo com a renomada escola americana Gnomon, que forma alguns dos artistas de efeitos visuais mais gabaritados do mundo.

    Juntas, as empresas vão abrir um novo centro de treinamento voltado a toda América Latina, o primeiro com a chancela da marca da região. “Hoje estamos formando os melhores profissionais para atuar no mercado brasileiro, mas queremos preparar nossos alunos para o mercado internacional”, justifica o empreendedor.

    Para celebrar o acordo, as empresas promoveram em março deste ano, em São Paulo, um evento batizado The Union, que trouxe ao país grandes nomes da computação gráfica[bb] e do entretenimento digital 3D[bb], como Neil Huxley, diretor de arte de Avatar, e o brasileiro Fausto De Martini, diretor de arte da Blizzard Entertainment, responsável, entre outros projetos, pela animação dos personagens do jogo StarCraft 2: Wings of Liberty.

    O objetivo da aliança é desenvolver o mercado de computação gráfica na região, para que etapas do processo de produção de grandes produções de Hollywood possam ser terceirizadas para cá.

    “Hoje, muitos trabalhos são terceirizados para a Índia, China e Coréia, mas os estúdios têm grande dificuldade por causa do fuso, do idioma e da cultura desses países. Há um forte interesse em colocar o Brasil neste circuito. A criatividade do brasileiro é reconhecida mundialmente”, diz Alessandro. Para viabilizar o projeto, a Saga deve fazer investimentos da ordem de R$ 3 milhões. A nova escola deve começar a funcionar ainda este ano.

    Fonte: escrito por Daniela Moreira para  Exame

    continue lendo
  • Droga com flor do Egito antigo combate câncer em cobaias

    Post extraordinário com notícia que vi na BBC Brasil pesquisando sobre o câncer sendo que amanhã (19/09/2011) começo meu 2º ciclo de quimioterapia.

    Um novo remédio feito com uma flor que já tinha usos medicinais no Egito antigo pode destruir células de câncer, diz uma pesquisa realizada por cientistas britânicos.

    Anticorpos atacam câncer por dentro, revela novo estudo

    A nova droga produzida a partir do açafrão-do-prado (Colchicum autumnale) circula na corrente sanguínea, mas só é ativada por uma substância química emitida por tumores malignos.

    Segundo o estudo, ela ataca as células cancerosas que se espalharam, mas deixa intactos os tecidos saudáveis.

    O remédio foi testado com sucesso em camundongos contra câncer de mama, intestino, pulmão e próstata, mas deve ser eficiente contra qualquer tipo de tumor sólido, afirmam os pesquisadores.

    Nos testes de laboratório, metade dos camundongos ficou completamente curada após uma única injeção da droga e houve redução no ritmo de crescimento dos tumores em todos os animais testados.

    Os testes clínicos devem começar em até dois anos.

    Arnhoffer Károly/Creative Commons
    O extrato do açafrão-do-prado (foto) tem histórico de uso medicinal e como veneno na Grécia e no Egito antigos
    O extrato do açafrão-do-prado (foto) tem histórico de uso medicinal e como veneno na Grécia e no Egito antigos

    “INANIÇÃO”

    Os pesquisadores dizem que a chave para o sucesso do tratamento é que ele é ativado por uma enzima usada pelos tumores para invadir os tecidos a seu redor.

    Uma vez ativado, o remédio destrói as veias que alimentam o tumor e faz com que o câncer morra de “inanição”.

    “O que criamos é, efetivamente, uma ‘bomba inteligente’, que pode ser direcionada para matar qualquer tumor sólido, aparentemente sem danificar os tecidos saudáveis”, comentou o líder da pesquisa da Universidade de Bradford, Laurence Patterson.

    VENENO

    O extrato do açafrão-do-prado tem um histórico de usos medicinais e também como veneno na Grécia e no Egito antigos.

    Mais frequentemente, a substância colchicina, retirada da planta, é usada no tratamento de crises de gota.

    Tentativas anteriores de usá-la no combate ao câncer fracassaram devido à alta toxicidade do composto, mas o problema teria sido resolvido depois que a equipe britânica conseguiu torná-la inofensiva até entrar em contato com um tumor.

    A nova droga pertence à mesma família de remédios do Paclitaxel, o agente de quimioterapia mais usado no mundo, produzido a partir da casca da árvore Taxus brevifolia.

    “Se [os resultados] forem confirmados em testes de laboratórios mais extensos, os remédios baseados nessa abordagem podem ser muito úteis como parte de uma combinação de tratamentos contra diversos tipos de câncer”, disse Paul Workman, do Instituto de Pesquisa do Câncer, em Londres.

    Pacientes do Hospital de St. James, em Leeds, poderão ser os primeiros a testar o novo remédio dentro de 18 a 24 meses.

    Fonte: BBC Brasil

    São notícias como essas que garantem esperança de luta para milhões de pessoas que passam por esse desafio em suas vidas. No dia 06/09/2011 voltei para casa depois de 14 dias do 1º ciclo da quimioterapia no Hospital Aldenora Bello. Foi difícil, dolorido e exaustivo, exigindo muita força física e mental para aguentar. Perdi 6kg nesse período, pois na segunda semana, quando os efeitos dos medicamentos vêm de modo impactante, não consegui me alimentar por 3 dias, ficando só na base do soro e um pouco de suplemento que conseguia tomar. Momento mais complicado foi do dia 30 para 31 quando minha imunidade baixou perigosamente, podendo correr até risco de vida. Depois a força vai aumentando, os efeitos vão amenizando, apetite e paladar voltando. Graças ao esforço e dedicação de minha mãe, Rosangela Santiago, minha irmã, Angela Santiago e, principalmente, de minha esposa, Júlia Durans, pude passar por essa. Agradeço também ao Marquinhos Durans que fcou uma noite por lá. A todos que ligaram, mandaram mensagens, fizeram comentários ou de algum modo desejaram melhoras muito obrigado mesmo. Nesses dias em casa só repousando e aumentando as energias pois 19/09 volto pro 2º ciclo. No final de tudo não espero nada menos que a Vitória!

    Atualizado:

    No dia 16/09/2011 peguei meus exames de sangue… tudo normal e os indicadores hormonais de presença de câncer baixaram todos para os parâmteros normais. Acabei de falar com meu médico e ele disse que não há sinal do câncer, mas manterá os outros 3 ciclos do tratamento para garantir quaisquer chances da doença voltar. Aos familiares, amigos, colegas, parceiros, clientes e alunos que deixaram palavras carinhosas de apoio: MUITO OBRIGADO! A força positiva que mandaram para mim está sendo de uma ajuda incomensurável! Eu, Júlia Durans e minha família agradecemos profundamente por isso! NADA MAIS QUE A VITÓRIA!

    continue lendo
  • Inspiração visual no site FFFFound

    O site FFFFound é um dos sites que mais gosto de visitar em busca de inspirações por meio de imagens das mais diversas: retrôs, vintades, modernas, abstratas, arrojadas, ousadas, etc.

    continue lendo
  • Desenhando inspiração

    Belíssimo curta animado dirigido por Tim McCourt e Wesley Louis.

    Trabalhando sozinho em casa é fácil sentir-se como esse perspnagem. Esse curta é uma reflexão sobre o cuidado que temos de ter com o mundo ao nosso redor.

    Fonte: Drawn

    continue lendo
  • Música pra relaxar e inspirar: AMETHYSTIUM – Shadow To Light

    Música pra relaxar e inspirar: AMETHYSTIUM – Shadow To Light.

    [youtube DlzH5Mo6NsY]

    continue lendo
  • Cartazes Tipográficos

    Aproveitando que uma das atividades passadas pela Profª Fernanda Martins, na disciplina Introdução à Tipografia, foi fazer um cartaz inspirado no estilo, história e formas das fontes sorteadas na turma, aí vão alguns exemplos inspiradores e de quebra dois vídeos. Vi no Abduzeedo.


    Typography Inspiration

    by m R. t R i P


    Typography Inspiration

    by Eurico Sá Fernandes


    Typography Inspiration

    by Jonatan Pettersson


    Typography Inspiration

    by Brandon Moore


    Typography Inspiration

    by Vivien Urtiaga


    Typography Inspiration

    by Riah Goodison


    Typography Inspiration

    by Dinushi Perera


    Typography Inspiration

    by Roman Pellejero


    Typography Inspiration

    by Michaela Istokova


    Typography Inspiration

    by Iacopo Boccalari


    Typography Inspiration

    by Elvis Benício


    Typography Inspiration

    by extraverage


    Typography Inspiration

    by Mark Andrew Webber


    Typography Inspiration

    by Network Osaka


    Typography Inspiration

    by LikeMindedStudio


    Typography Inspiration

    by mil3n


    Typography Inspiration

    by Gizo


    Typography Inspiration

    continue lendo
  • 40 criativos cartões de visita

    Por falta de tempo pra escrever algo de real valor no Blogarte vou encher linguiça colocando imagens de 40 criativos cartões de visita que vi pelo Twitter. Fonte: Creative Nerds

    1.NationBuilder Pop-up Business Card

    image

    2.Corporation Pop

    image

    3.MIXTAPE GENERATION Business Card

    image

    4.Business Card Outside

    image

    5.Business Cards Adworks Media

    image

    6.Lindsey Casabella stylist: Business / appointment card

    image

    7.Davide Gasperini

    image

    8.Orderin Business Cards

    image

    9.In Watermelon Sugar

    image

    10.Box Office Business Card

    image

    11.IGS in Stainless

    image

    12.Andricongirlimage

    13.Bridge Photographic

    image

    14.SheetSeat

    image

    15.buro RuSt

    image

    16.Ninja Bltimage

    17.Microphone

    image

    18.akufen

    image

    19.(e)Studios AQUA Business CARD

    image

    20.Ben Morales’s Portfolio

    image

    21.BlackNapkin image

    22.Meat Card

    image

    23.Lauren Pritchard

    image

    24.Sergio Delgado

    image

    25.new biz cards

    image

    26.Akufen

    image

    27.cardapult

    image

    28.1scale1 business card

    image

    29.1scale1 business cardimage

    30.elBarbon

    image

    31.Nils von Blanc

    image

    32.Depux

    image

    33.Yoga One: Business Card

    image

    34.THIELEN DESIGNS

    image

    35.Sergii Bogulavkyi

    image

    36.Sergii Bogulavkyi

    image

    37.Guilherme Lepca

    image

    38.Guilherme Lepcaimage

    39.home-made business card

    image

    40.Orient Xpress · Noodle Bar

    image

    continue lendo
  • Lines and Colors

    Lines and Colors na própria definição do dono é “um blog sobre desenho, esboços, pintura, quadrinhos, cartoons, webcomics, ilustração, arte digital, arte conceitual, ferramentas e técnicas artísticas, motion graphics, animação, ficção científica e fantasia, arte paleolítca, storyboards, pintura de cenários, gráficos 3d e qualquer outra coisa que o administrador ache visualmente interessante. Se tem linhas e/ou cores, faz parte do jogo”.

    Ou seja, tá com a mente branca pra criar (como eu no nosso panfleto)? Tá sem noção por onde começar? Vai lá… se não tiver idéias pelo menos limpa a vista vendo coisas feitas por pessoas com talento.

    Mattias Adolfsson, Star Wars,the baroque version, houseflower

    Clark Hulings

    Bob Peak

    continue lendo
  • Para trabalhar com design é preciso saber desenhar?

    WDE sketches

    Participando de fóruns na internet sobre design, arte e quadrinhos, vez ou outra me deparo com pessoas com dúvidas ou dificuldades em relação à habilidade de desenhar na profissão de designer.

    O termo “design”, para a maioria das pessoas, significa desenho, até mesmo quem trabalha ou estuda na área se confunde com o significado da palavra que, na verdade não é desenho. André Villas Boas, em seu livro “O que é e o que nunca foi design gráfico” da Ed. 2AB, explica estes conceitos de modo bem claro.

    “Design” é uma palavra da língua inglesa que não possui uma tradução exata em português (assim como a nossa palavra “saudade” em outras línguas). A palavra em inglês para desenho é “draw” que significa representar uma idéia graficamente marcando com uma ferramenta alguma superfície (carvão numa parede, lápis ou caneta sobre papel ou até mesmo a caneta eletrônica sobre uma mesa digitalizadora).

    Então quem faz design faz desenho? Não necessariamente, mas se não souber fazer faz falta. Quando uma pessoa começa a fazer design, está desenvolvendo uma atividade projetual (problema/necessidade – pesquisa/análise – soluções/esboços – resultados/formas finais) que requer em determinada fase a transposição do que está no campo das idéias para o campo concreto e palpável.

    Os softwares de desenho vetorial, manipulação de imagens e construção de objetos tridimensionais teoricamente dispensam a habilidade de saber desenhar à mão livre. Porém, a pessoa que possui uma prática de esboçar suas idéias num pedaço de papel tem muito mais fluidez na concepção do trabalho, mesmo que ela não vá direto ao papel e sim à tela. Parece contraditório mas não é. Quem tem prática de desenhar à mão livre passa por um processo criativo diferente de quem só usa a máquina para criar.

    Mike Rohde's Sketch Kit (Open) por Mike Rohde.

    A experiência de fazer à mão livre desperta um gatilho na mente que só quem faz sabe a diferença. Quando passa da folha de papel em branco para a tela em branco do monitor seu repertório visual é maior, podendo explorar outras possibilidades nas ferramentas dos programas não se limitando às formas pré-determinadas.

    Portanto saber desenhar não se torna uma premissa fundamental para trabalhar com design, mas quem sabe se expressar graficamente desenhando à mão livre leva uma certa vantagem em relação a quem só usa os softwares gráficos. Como disse um designer colega meu: “desenhar é o pulo do gato”.

     

    continue lendo
  • RSS
  • Facebook
  • LinkedIn
  • Twitter
  • YouTube