Tag "aula"

  • WORKSHOP SOBRE CRIATIVIDADE COM GARCIA JUNIOR

    O “Workshop sobre Criatividade” consiste numa exposição dialogada em que os participantes verão conteúdos relacionados à Arte, Design, História, Psicologia e Neurolinguística. O ministrante Garcia Junior é arte educador e designer gráfico com 20 anos de experiência, sócio-proprietário da Imagética Consultoria e Design – www.imagetica.net – autor da Apostila de Artes Visuais (material didático de Arte mais baixado em todo o Brasil), professor efetivo da SEDUC MA, supervisor do PIBID de Música da UEMA, palestrante e produtor cultural.

    Mais sobre o currículo do ministrante: https://www.linkedin.com/profile/preview?locale=pt_BR&trk=prof-0-sb-preview-primary-button

    Página do evento no facebook: https://www.facebook.com/events/1059019824180869/

    ————————–————————–————-
    O local – SPOT Qualificação Profissional – dispões de ambiente climatizado e confortável, de fácil acesso e propício ao aprendizado, além da experiência na organização de cursos, palestras e treinamentos.

    —————————————————————–

    - Duração: 4h.

    - Horário: 14h às 18h.

    - 24 pessoas por turma.

    - Turma 01: 14/07/2016.

    - Turma 02: 21/07/2016.

    - Turma 03: 28/07/2016.

    - Investimento: R$ 80,00

    - Local, informações e inscrições:
    SPOT – Qualificação Profissional

    São Luís MA

    - Fones: 98 30834636 / 98 992415631

    continue lendo
  • Palestra na FLAEMA sobre a Apostila de Artes Visuais

    Fui convidado pela organização da FLAEMA (Feira do Livro do Autor e Editor Maranhense) para fazer uma palestra gratuita sobre minha Apostila de Artes Visuais[bb] que é o material didático de Arte[bb] mais baixado em língua portuguesa. Página do evento no Facebook.

    Local: Shopping da Ilha (praça central – área Templo Grego), São Luís – MA

    Dia: 20/05/2016

    Horário: 13h50 às 14h20

    ENTRADA GRATUITA

     

    continue lendo
  • Linguagem Visual – slides de aulas de Arte

    Compartilho com os leitores do Blogarte os slides de aulas atualizados e revisados sobre Linguagem Visual. São dois materiais – um slide sobre “Comunicação e Linguagem” e outro sobre “Elementos Básicos da Linguagem Visual”. Em breve atualizo com um novo post com um slide sobre “Fundamentos da Composição” encerrando esse conteúdo. Os slides são parte do material didático da Apostila de Arte – Artes Visuais, elaborado por mim. A utilização é gratuita e só peço que mantenha o crédito de minha autoria, divulgue o Blogarte e comente aqui a respeito do material didático com sugestões de acréscimos ou revisões.

     

    Prof. Garcia Junior – Arte-Educador e Designer Gráfico.

    ———————————————————————————————-
    ATUALIZAÇÃO: Aqui está a Parte 8: Fundamentos Compositivos da Linguagem Visual em que você pode aprender um pouco sobre como nós percebemos as imagens e como podemos construí-las.

    continue lendo
  • HOME documentário em alta definição

    Adoro documentários. Assisto muito mais documentários do que vejo TV. Na verdade só tenho Tv por assinatura por causa dos canais de documentários. Quem acessa o Blogarte com frequência sabe disso e já deve ter visto minhas dicas por aqui. Com os sites de compartilhamentos de vídeos e de downloads, você acha fácil canais que possuem documentários de excelente qualidade como este que compartilho com vocês leitores.

    Classifico esse documentário chamado HOME (Lar) - União Européia, 2009, 93 min. – Direção: Yann Arthus-Bertrand - como um dos melhores sobre o tema Ciência, Antropologia, Meio-ambiente e Sustentabilidade. Ele é super bem produzido visualmente, como tomadas do espaço, vistas de satélite, de sobrevoos, todas com belíssima fotografia acompanhada pela trilha de Armand Amar. O texto da narração (na voz de Glen Close)  é um dos mais ricos e bem escritos que já vi mostrando desde as origens da vida no planeta e o equilíbrio existente entre as espécies até a atuação do Homo Sapiens, que em apenas 50 anos, dos seus 200 mil anos de existência, está mudando completamente as características da vida no planeta, que existe há 4 bilhões de anos. O Filme clama pela atitude do indivíduo e da união de força dos povos para que ainda possamos salvar o que restou dele.
    Este filme é um alerta e uma declaração de amor ao nosso lar: a Terra.

    Um ambicioso documentário, Home foi lançado no dia 5 de junho de 2009, Dia Mundial do Ambiente, simultaneamente em vários formatos (cinema, DVD, online). Seu impacto teria sido decisivo para vários políticos verdes nas eleições do Parlamento Europeu dois dias depois. Não é para menos. O fotógrafo Yann Arthus-Bertrand vendeu três milhões de cópias de seu livro – A Terra Vista de Cima – desde seu lançamento, em 1999. A versão animada demorou três anos para ser completada, com 217 dias de filmagem em 54 países diferentes.

    O texto é sóbrio, sobre um desfilar de imagens que nos levam ao arrebatamento, quando mostram a natureza ainda em sua pluralidade e dimensão, e ao estarrecimento, como as cenas de uma fazenda de gado nos Estados Unidos onde milhares de vacas se aglomeram em um território onde não se encontra uma única folha de grama – elas estão lá para nos alimentar (nós que consumimos 13 mil litros de água por um quilo de carne) e não para serem alimentadas como um dia foram, em pastos naturais.

    Como um dia foi parece ser a mensagem central do filme, aliada a outra: o que estamos às vias de perder e como. Toda a filmagem foi feita com câmeras montadas em estabilizadores em helicópteros. O resultado busca nos trazer uma concisa história da civilização humana, de suas conquistas mas, principalmente, de seus prováveis custos à nossa sobrevivência. “Nos últimos 50 anos, a Terra foi mais radicalmente modificada do que em todas as gerações humanas no planeta”, lembra a narradora, enquanto a câmera percorre campos, montanhas, megalópolis, aglomerações, fazendas, miséria, desperdício, nosso triste legado ao planeta.

    Há poesia em Home, tanto em palavras como em imagens, e talvez por isso nos sentimos incomodados por uma nostalgia do que verdade nem chegamos a conhecer, e por uma preocupação que agora nos visita cotidianamente, com o noticiário crescentemente refletindo nossos medos. “Esta é a medida de nosso tempo: o relógio de nosso mundo agora bate no ritmo de máquinas infatigáveis” que se valem do poder do sol. A humanidade conquistou o petróleo, e conseguiu transformar um litro dele em 100 horas/homem de trabalho. Agora, a mesma substância que nos trouxe o conforto e o desenvolvimento nos ameaça com a ruína. E ainda assim não paramos e não nos saciamos: hoje imensas extensões de terra usam alimentos para produzir combustível para que as máquinas continuem, infatigáveis.

    Home traz um sem-número de dados alarmantes, principalmente nos textos que rolam pela tela em seu final. Não há muito que seja desconhecido das pessoas que acompanham as notícias sobre o ambiente, mas imagens, como se sabe, são muito poderosas. A música de fundo é incessantemente pungente. Resta o consolo de saber que trabalhos como os de Yann Arthus-Bertrand vêm ganhando maior audiência. O fato de o documentário ter sido bancado pelo grupo PPR, imenso aglomerado de grifes de moda, nos diz também que corporações começam a examinar o território à sua volta e nossos hábitos de consumo sob uma ótica já em processo de mudança – se nos formos, elas também irão. Fonte.

    Aqui você baixa a legenda se quiser salvar do Youtube e ver depois.

     

    continue lendo
  • Slides sobre Linguagem Visual – Comunicação e Linguagem

    Tentando focar na produtividade num momento de turbulência. Atualização dos slides de aulas baseados na Apostila de Arte – Artes Visuais que estou aos poucos revisando. Os slides abaixo já estou utilizando com meus alunos na 3ª série do Ensino Médio do Liceu Maranhense no 1º bimestre de 2012. É a Parte 06: Comunicação e Linguagem da Unidade 02 da Apostila – A Linguagem Visual. Em breve posto os slides da Parte 07: Elementos Básicos da Linguagem Visual. Os slides ficam constantemente disponíveis pra download gratuito na coluna de navegação aí ao lado linkados pra minha conta no Slide Share.

     

    continue lendo
  • O panfleteiro que virou referência no ensino de arte digital

    Aficionado por games, empreendedor transformou uma simples escola de informática em uma rede especializada em computação gráfica.

    http://exame.abril.com.br/assets/pictures/30465/size_590_Trabalho%20de%20alunos%20da%20Saga.jpg

    São Paulo – Apaixonado por videogames desde pequeno, Alessandro Bomfim cansou de levar bronca da mãe para deixar essas “bobagens” de lado. As tardes “perdidas” no fliperama e no Atari chegaram até a render a participações em competições de videogame na adolescência, mas, mesmo assim, Alessandro não conseguiu convencer a família de que o hobby era coisa séria. “Naquela época era visto como passatempo, algo que os pais recriminavam”, lembra.

    Aos 17 anos, decidiu sair de casa e trocou o Recife pelo Rio de Janeiro. “Tive que deixar o sonho de lado e começar a me virar. Lavei táxi, fui office boy, entregador de pizza de bicicleta, balconista, fazia de tudo para pode pagar o aluguel do quarto de pensão”, diz.

    Mas foi o emprego de “panfleteiro” em uma rede de ensino de informática que abriu as portas para que Alessandro pudesse finalmente reencontrar a paixão pelo universo dos games e transformá-la em negócio.

    “A rede vendia cursos básicos de Office e Windows. Eu ficava em um ponto em Copacabana chamando os clientes para ir às escolas”, conta. Alessandro, então com 19 anos, logo se destacou no posto e um ano depois entrava para a equipe de vendas externas. Mais um ano no cargo e veio uma nova promoção, desta vez para vendedor interno. Em 2001, com cinco anos de empresa, o jovem foi convidado a assumir a posição de gerente da unidade de Copacabana, a mais importante da rede.

    “Aceitei o cargo, mas, em vez de salário, pedi em troca um porcentual do negócio. Passei quatro meses sem receber nada porque a unidade dava prejuízo. Em seis meses, estava dando lucro”, diz. Animado com os resultados, Alessandro decidiu investir junto com um sócio para adquirir a unidade e transformá-la em uma escola própria, com um novo nome – AIS – e uma proposta diferente.

    “Queríamos fazer uma coisa mais avançada, que oferecesse um diferencial ao cliente”, explica o empreendedor. Inicialmente, os sócios investiram para reformar o ponto, adquirir equipamentos e melhorar os cursos. Aos poucos, a rede foi crescendo, com novas unidades abertas em São Paulo (2003), Salvador (2006) e Recife (2007). O portfólio de cursos também foi se sofisticando, com a inclusão de cursos de computação gráfica e produção de vídeo.

    Mas o ponto de virada do negócio aconteceu em 2008. “Comecei a viajar e observar as tendências no exterior. Percebi que estávamos ensinado os alunos apenas a usar o software[bb] do ponto de vista técnico, a ser apertadores de botão. Tínhamos que mudar a nossa filosofia”, lembra Alessandro.

    A rede foi rebatizada de Saga (School of Art, Game and Animation) e passou a forcar em cursos de arte[bb], games[bb] e animação[bb]. “O objetivo passou a ser desenvolver a parte criativa dos alunos, além da parte técnica. Decidimos formar artistas”, conta o empreendedor.

    A mudança nas escolas foi radical. As antigas máquinas deram lugar a equipamentos de R$ 6 mil, com CPUs[bb] poderosas e monitores LCD[bb] de 23 polegadas. Os professores passam a ser enviados para cursos de capacitação e reciclagem nos Estados Unidos – a cada seis meses um grupo é mandado às melhores instituições do ramo para aprimorar os conhecimentos.

    O investimento foi alto – cada unidade custa, em média, R$ 500 mil para ser implantada, cinco vezes mais que o custo para montar uma unidade no modelo antigo –, mas deu retorno. O faturamento da marca em 2010 foi de R$ 7,5 milhões. As seis escolas da rede, que antes tinham, em média, de 300 a 400 alunos, passaram a contar com cerca de 1 mil alunos cada.

    “No passado, o nosso aluno fazia um investimento muito baixo para aprender a usar um computador, mas saía para o mercado para ganhar salário mínimo. Hoje formamos profissionais especializados, que já saem daqui ganhando R$ 3 mil, R$ 4 mil”, diz. “Ninguém mais pode dizer que a carreira em games não dá futuro”, brinca.

    Além de aumentar a receita da escola, a transformação reaproximou cada vez mais Alessandro do seu hobby de infância e adolescência. Além de ter seu próprio curso focado na produção de games, a escola firmou um acordo com a renomada escola americana Gnomon, que forma alguns dos artistas de efeitos visuais mais gabaritados do mundo.

    Juntas, as empresas vão abrir um novo centro de treinamento voltado a toda América Latina, o primeiro com a chancela da marca da região. “Hoje estamos formando os melhores profissionais para atuar no mercado brasileiro, mas queremos preparar nossos alunos para o mercado internacional”, justifica o empreendedor.

    Para celebrar o acordo, as empresas promoveram em março deste ano, em São Paulo, um evento batizado The Union, que trouxe ao país grandes nomes da computação gráfica[bb] e do entretenimento digital 3D[bb], como Neil Huxley, diretor de arte de Avatar, e o brasileiro Fausto De Martini, diretor de arte da Blizzard Entertainment, responsável, entre outros projetos, pela animação dos personagens do jogo StarCraft 2: Wings of Liberty.

    O objetivo da aliança é desenvolver o mercado de computação gráfica na região, para que etapas do processo de produção de grandes produções de Hollywood possam ser terceirizadas para cá.

    “Hoje, muitos trabalhos são terceirizados para a Índia, China e Coréia, mas os estúdios têm grande dificuldade por causa do fuso, do idioma e da cultura desses países. Há um forte interesse em colocar o Brasil neste circuito. A criatividade do brasileiro é reconhecida mundialmente”, diz Alessandro. Para viabilizar o projeto, a Saga deve fazer investimentos da ordem de R$ 3 milhões. A nova escola deve começar a funcionar ainda este ano.

    Fonte: escrito por Daniela Moreira para  Exame

    continue lendo
  • Apostila de Arte – Artes Visuais

     

    Autor: Prof. Garcia Junior

    Ao longo de alguns anos de experiência como arte-educador e como autor e instrutor de mini-cursos, oficinas, palestras e formação continuada sobre Arte tanto para estudantes quanto para professores, fui elaborando um material textual próprio que fosse didático e se utilizasse de bastante imagens para auxiliar na compreensão dos conceitos. Não tenho a pretensão de me considerar um especialista no assunto, por que a cada vez que revejo o material sinto a necessidade de modificá-lo tanto textualmente quanto visualmente.

    Até o momento tive como respostas ao material as opiniões dos meus alunos, colegas arte-educadores e demais profissionais de educação e centenas de usuários do Blogarte que comentam nesse post além das minhas próprias experiências testando-o. Meu objetivo em compartilhar este estudo é obter críticas fundamentadas para que possa melhorá-lo cada vez mais.

    Atualmente esta apostila está sendo utilizada em sala de aula com alunos do Ensino Médio da Rede Pública de Educação do Estado do Maranhão no Centro de Ensino Liceu Maranhense no turno matutino turmas de 1ª e 3ª série. Junto com a apostila são usados slides baseados no conteúdo do texto além de alguns vídeos e documentários relacionados. Mais do que a Apostila ou os recursos tecnológicos está a criatividade do professor em tornar as aulas interessantes e dinâmicas para que a Arte não se torne uma disciplina monótona e estimule os estudantes à descoberta da sua sensibilidade estética e das possibilidades imaginativas do mundo da Arte.

    A versão que está disponível a partir de hoje, 22 de janeiro de 2014 foi revisada e atualizada para este novo ano letivo e possivelmente ainda terá modificações até o final do semestre.
    Clique aqui (tamanho do arquivo – 9,6MB)  faça o download da Apostila de Arte – Artes Visuais[bb] completa. O arquivo está formato .pdf e você poderá visualizá-lo no programa Adobe Acrobat ou outro equivalente.

    Caso o download direto do arquivo em .pdf demore (por problemas no servidor que hospedo) disponibilizei a Apostila de Artes Visuais também no Slideshare que você pode baixar ou ver online.

    continue lendo
  • RSS
  • Facebook
  • LinkedIn
  • Twitter
  • YouTube