Tag "afro-brasileiro"

  • Deuses africanos em manipulações fotográficas

    Mesmo o Brasil sendo um país cuja cultura foi imensamente influenciada pela herança dos africanos, de um modo geral sabemos pouco sobre a mitologia africana. Só recentemente os conteúdos afro-brasileiros (história, arte, religião) foram considerados importantes para entrarem no currículo oficial das escolas públicas e particulares no país.
    Conhecemos Zeus, Hércules, Thor e Loki (massificados pelos quadrinhos, filmes e séries mas, se formos parar pra ver, poucos de nós conhecem bem os orixás de religiões como Umbanda e Candomblé. Um dos motivos para tal negligência e ignorância foi (e ainda é, de certa forma) a influência da religião cristã, inicialmente católica e agora de modo mais combativo os neo-pentecostais e evangélicos.
    Preconceitos e discriminações à parte a verdade é que a integração das religiões afro na sociedade é pouco difundida, então mesmo sabendo alguns nomes por aí, é difícil quem saiba dar forma a esses deuses. A representação imagética dos deuses e entidades são muito pouco conhecidas. Quais suas formas, suas principais características?
    O fotógrafo americano James C. Lewis, CEO da Noire 3000 Studios, resolveu ser mítico e criou a série Yorùbá African Orishas, que representa 20 dos mais de 400 deuses da religião nigeriana yorùbá (ler iorubá), que deu origem, por intermédio do tráfico de escravos, a várias ramificações no Brasil, Jamaica, Cuba e Caribe, como Santeria as já citadas Umbanda e Candomblé.
    Diferente, no entanto, das ilustrações comumente vistas das divindades, James resolveu fazer uma representação menos adereçada e mais estilizada. Há uma grande valorização da aparência dos deuses, bem no estilo do que podemos encontrar em outras mitologias — com direito a muito músculo e umas feições que lembram personagens de filmes, séries ou games. Se Thor e Loki podem ser representados no cinema assim, por que não esses deuses?

    Aganju: Deus dos vulcões e desertos, também pai de Xangô (em outras histórias, seu irmão).
    Representação padrão -
    Obaluaiyê: Deus das doenças e enfermidades.
    Representação padrão -
    Erinlè: Deus da saúde física e bem-estar, médico dos deuses (e segurança de buaty nas horas vagas, combinemos). No Candomblé ele corresponde a Oxóssi.
    Representação padrão -
    Exú: Deus das encruzilhadas, mensageiro entre humanos e divindades.
    Representação padrão -
    Ìbejì: Deuses da juventide e vitalidade, também conhecidos como os Gêmeos Sagrados (as moça tá tudo pedindo pr’eles serem sagrados na casa delas qu’eu seeeei) (e são normalmente relacionados aos famosos Cosme e Damião dos docin).
    Representação padrão -
    Obatalá: Deus da humanidade e retidão espiritual e moral, Rei do Pano Branco e segundo filho de Olorum (o criador do universo). E, na moral, deve dar um pau no Shao Kahn.
    Representação padrão -
    Obá: Deusa do casamento e domesticidade, esposa banida de Xangô e filha de Iemanjá.
    Representação padrão -
    Oxumarê: Deus da mobilidade, cobra-arco-íris (ele é uma serpente em algumas representações), guardião das crianças, lorde das coisas prolongadas e controlador do cordão umbilical (Ah, e também é considerado protetor dos LGBT!).
    Representação padrão -
    Ogum: Deus guerreiro do ferro, trabalho, política, sacrifício e tecnologia.
    Representação padrão -
    Okô: Deus da agricultura e colheita (e faz ponta de Chris Rock vez ou outra).
    Representação padrão -
    (pronto pra soltar um Hadouken na tua fuça) Olokun: Deus do oceano abissal, e significa “sabedoria imensurável”.
    Representação padrão -
    Olorum: Deus e criador do Universo, também conhecido como O Senhor do Céu.
    Representação padrão -
    Ori: Deus da intuição espiritual e destino. Seu nome significa, literalmente, “cabeça”.
    Representação padrão -
    Orunmilá: Deus da sabedoria, adivinhação e vidência.
    Representação padrão -
    Oxum: Deusa da beleza, amor, fertilidade e divindade dos rios.
    Representação padrão -
    Oxóssi: Deus da caça e patrulha, protetor dos acusados e de quem busca justiça (ou seja, protetor da maior parte dos filmes de ação).
    Representação padrão -
    Oyá: Deusa guerreira do vento, mudanças bruscas e redemoinhos. Poderosa feiticeira (pode isso, povo do RPG? Guerreira, feiticeira e elemental?).
    Representação padrão -
    (canto deOssanha ou Ossaim: Deus da floresta. Curador natural, guardião das ervas (tem que ter o Mago Branco na party, né, galere?)
    Representação padrão -
    Xangô: Deus do fogo, raio e trovão. Representa o poder e sexualidade masculinas.
    Representação padrão -
    Iemanjá: Deusa-mãe da humanidade, divindade do mar, filha de Obatalá e mulher de Aganju.
    Representação padrão -
    continue lendo
  • RSS
  • Facebook
  • LinkedIn
  • Twitter
  • YouTube