Últimas Postagens

  • Coleção Hot Wheels DC Universe

    A Mattel[bb], dona da marca Hot Wheels[bb], possui os direitos de licenciamento da editora DC Comics[bb] (que publica Superman, Batman, Mulher Maravilha e um universo inteiro de personagens icônicos) para brinquedos, miniaturas e outros itens colecionáveis. Em 2012 a Hot Wheels lançou a coleção DC Universe baseada nos personagens da editora. O design dos carrinhos na escala aproximada de 1:64 foi baseado nas características físicas (formas, roupas, cores) de personagens conhecidos (primeiro o Batman, com o batmóvel, claro) e depois seus vilões. Diferente de outras séries, que se baseavam em veículos que aparecem em filmes, séries ou desenhos animados, essa da DC Universe fez uma releitura de como seriam os personagens em forma de veículos. Claro que existem coisas sem sentido: porque Superman, Flash, Mulher Maravilha, Lanterna Verde e Aquaman precisariam de carros? Mas tudo faz parte da brincadeira, e todas as miniaturas juntas formam um lindo conjunto que fazem com que um colecionador não resista a tê-las na sua estante. Em 2013 relançaram alguns modelos com design novo da embalagem, enfatizando a marca nova da DC Comics, e lançaram novos modelos como Sr. Frio, Crocodilo, Lanterna Verde, Flash, Superman e Mulher Maravilha. Em 2014 tivemos só dois modelos novos: Aquaman e, em dezembro o Pinguim. Cada mini custa em lojas com preço tabelado, R$ 24,90 e, na minha opinião, valem à pena pela beleza e particularidade de cada uma. Algumas das miniaturas dessa coleção já não são fáceis de achar, como o Duas Caras, Mulher Gato e Mulher Maravilha e acabam sendo vendidas mais caras em mercado paralelo. Aproveite as minhas fotos e deixe um comentário se você gostou desse post.[bb]

    continue lendo
  • Batman 75 anos

    Batman 75 Years Design: Garcia JuniorCom esse post darei início a uma série que escreverei sobre a comemoração do personagem Batman, da DC Comics/Time Warner que completa 75 anos em 2014. Criado por Bob Kane e Bill Finger em 1939 o homem morcego e é um dos personagens mais conhecidos das histórias em quadrinhos por causa das suas versões na TV (seriado de 1966 a 1968), suas séries de desenhos animados e, obviamente, seus filmes para o cinema. Oras, quem não conhece o Batman, né?

    Mas, como sou batmaníaco e colecionador, vou focar essa série de posts nos fãs e colecionadores do cruzado encapuzado. Começando pelos aeromodelistas que dão vida às aeronaves dos filmes provando inclusive que sua aerodiâmica é possível em escala reduzida (o que muitos duvidam quando veem nas telas apenas os efeitos especiais). Fiquem com esses vídeos que mostram a “The Bat” do filme “The Dark Knight Rises” (O Cavaleiro das Trevas Ressurge) de 2012 e a “Batwing” do filme “Batman The Movie” de 1989.

    E aqui mais um vídeo de uma outra versão da Batwing, mais próxima da usada no filme.

     

    continue lendo
  • Revista de ficção científica Starlog

    Starlog Magazine is available for free online!

    A revista Starlog, publicada nos Estados Unidos entre 1976 e 2009, foi o maior veículo de comunicação no gênero Ficção Científica (Science Fiction) e trazia novidades e informações dos bastidores de filmes e séries para os ávidos fãs nerds em tempos em que a própria Internet era Ficção Científica. Fez a cabeça de muitas pessoas (eu, inclusive) que curtem histórias de relações humanas e que se passam em ambientes incomuns, indo desde uma “galáxia muito, muito distante” até “onde nenhum homem jamais esteve”.

    Aqui no Brasil a revista teve uma versão publicada pela Mythos Editora, e que era muito difícil de conseguir por ter distribuição setorizada. Lembro de conseguir com dificuldade algumas Starlogs importadas que chegavam em São Luís no começo dos anos 90 com matérias sobre Star Trek The Next Generation, mas eram caras pra mim na época.

    Agora todos os seus números estão disponíveis (em inglês) de graça no Internet Archive.
    continue lendo
  • Deuses africanos em manipulações fotográficas

    Mesmo o Brasil sendo um país cuja cultura foi imensamente influenciada pela herança dos africanos, de um modo geral sabemos pouco sobre a mitologia africana. Só recentemente os conteúdos afro-brasileiros (história, arte, religião) foram considerados importantes para entrarem no currículo oficial das escolas públicas e particulares no país.
    Conhecemos Zeus, Hércules, Thor e Loki (massificados pelos quadrinhos, filmes e séries mas, se formos parar pra ver, poucos de nós conhecem bem os orixás de religiões como Umbanda e Candomblé. Um dos motivos para tal negligência e ignorância foi (e ainda é, de certa forma) a influência da religião cristã, inicialmente católica e agora de modo mais combativo os neo-pentecostais e evangélicos.
    Preconceitos e discriminações à parte a verdade é que a integração das religiões afro na sociedade é pouco difundida, então mesmo sabendo alguns nomes por aí, é difícil quem saiba dar forma a esses deuses. A representação imagética dos deuses e entidades são muito pouco conhecidas. Quais suas formas, suas principais características?
    O fotógrafo americano James C. Lewis, CEO da Noire 3000 Studios, resolveu ser mítico e criou a série Yorùbá African Orishas, que representa 20 dos mais de 400 deuses da religião nigeriana yorùbá (ler iorubá), que deu origem, por intermédio do tráfico de escravos, a várias ramificações no Brasil, Jamaica, Cuba e Caribe, como Santeria as já citadas Umbanda e Candomblé.
    Diferente, no entanto, das ilustrações comumente vistas das divindades, James resolveu fazer uma representação menos adereçada e mais estilizada. Há uma grande valorização da aparência dos deuses, bem no estilo do que podemos encontrar em outras mitologias — com direito a muito músculo e umas feições que lembram personagens de filmes, séries ou games. Se Thor e Loki podem ser representados no cinema assim, por que não esses deuses?

    Aganju: Deus dos vulcões e desertos, também pai de Xangô (em outras histórias, seu irmão).
    Representação padrão -
    Obaluaiyê: Deus das doenças e enfermidades.
    Representação padrão -
    Erinlè: Deus da saúde física e bem-estar, médico dos deuses (e segurança de buaty nas horas vagas, combinemos). No Candomblé ele corresponde a Oxóssi.
    Representação padrão -
    Exú: Deus das encruzilhadas, mensageiro entre humanos e divindades.
    Representação padrão -
    Ìbejì: Deuses da juventide e vitalidade, também conhecidos como os Gêmeos Sagrados (as moça tá tudo pedindo pr’eles serem sagrados na casa delas qu’eu seeeei) (e são normalmente relacionados aos famosos Cosme e Damião dos docin).
    Representação padrão -
    Obatalá: Deus da humanidade e retidão espiritual e moral, Rei do Pano Branco e segundo filho de Olorum (o criador do universo). E, na moral, deve dar um pau no Shao Kahn.
    Representação padrão -
    Obá: Deusa do casamento e domesticidade, esposa banida de Xangô e filha de Iemanjá.
    Representação padrão -
    Oxumarê: Deus da mobilidade, cobra-arco-íris (ele é uma serpente em algumas representações), guardião das crianças, lorde das coisas prolongadas e controlador do cordão umbilical (Ah, e também é considerado protetor dos LGBT!).
    Representação padrão -
    Ogum: Deus guerreiro do ferro, trabalho, política, sacrifício e tecnologia.
    Representação padrão -
    Okô: Deus da agricultura e colheita (e faz ponta de Chris Rock vez ou outra).
    Representação padrão -
    (pronto pra soltar um Hadouken na tua fuça) Olokun: Deus do oceano abissal, e significa “sabedoria imensurável”.
    Representação padrão -
    Olorum: Deus e criador do Universo, também conhecido como O Senhor do Céu.
    Representação padrão -
    Ori: Deus da intuição espiritual e destino. Seu nome significa, literalmente, “cabeça”.
    Representação padrão -
    Orunmilá: Deus da sabedoria, adivinhação e vidência.
    Representação padrão -
    Oxum: Deusa da beleza, amor, fertilidade e divindade dos rios.
    Representação padrão -
    Oxóssi: Deus da caça e patrulha, protetor dos acusados e de quem busca justiça (ou seja, protetor da maior parte dos filmes de ação).
    Representação padrão -
    Oyá: Deusa guerreira do vento, mudanças bruscas e redemoinhos. Poderosa feiticeira (pode isso, povo do RPG? Guerreira, feiticeira e elemental?).
    Representação padrão -
    (canto deOssanha ou Ossaim: Deus da floresta. Curador natural, guardião das ervas (tem que ter o Mago Branco na party, né, galere?)
    Representação padrão -
    Xangô: Deus do fogo, raio e trovão. Representa o poder e sexualidade masculinas.
    Representação padrão -
    Iemanjá: Deusa-mãe da humanidade, divindade do mar, filha de Obatalá e mulher de Aganju.
    Representação padrão -
    continue lendo
  • Unboxing Hot Wheels 1:50 Batman

    [bb]Como alguns dos leitores do Blogarte devem saber sou colecionador de História em Quadrinhos, miniaturas e figuras de ação (as actions figures). Na verdade aprendi a ler com as HQs e isso influenciou grandemente a escolha das minhas duas profissões: professor de Arte e designer gráfico. Muitos colecionadores de miniaturas e figuras de ação mantém suas peças intactas nas embalagens, pois valorizam o estado original delas e, caso se desfaçam no futuro, elas podem ser vendidas a valores muito altos de acordo com a integridade e com a raridade, que é determinada pela quantidade de peças produzidas e comercializadas em relação à procura pelos colecionadores. Algumas peças são edições limitadas e são numeradas pelo fabricante (ex: 1 de 10.000) e tornam-se cobiçadas no mundo do colecionismo.

    O colecionismo é um excelente hobby, pois dá uma satisfação de ter conseguido uma peça desejada, possibilita a imersão dentro de um mundo específico funcionando como uma válvula de escapa da realidade (mas fazendo de modo equilibrado e saudável) e envolve algo inestimável que é o valor emocional com uma peça que a maioria posso considerar irrelevante ou uma “bobagem”. Na verdade você pode colecionar qualquer coisa, desde tampinhas ou latas de refrigerante até carros esporte de luxo como Ferraris ou Lamborghinis. Obviamente isso depende do poder aquisitivo da pessoa. O que determina o “colecionador” é o nível de conhecimento e dedicação ao foco de sua coleção. E existe uma diferença entre quem coleciona e quem acumula itens.

    Como colecionador fiz um vídeo de teste de “Unboxing” um termo usado para a abertura da caixa de uma peça ou um set (conjunto) de peças. Alguns denominam os que mantém na caixa/embalagem de “on board” e os que tiram de “off-board”.  A peça de teste que escolhi foi um set da Hot Wheels (marca de carrinhos e veículos em miniatura da Mattel) da escala 1:50 (quer dizer 50 vezes menor que o tamanho real, mas nem sempre a proporcionalidade é acurada) relacionado ao filme Batman de 1989 e Batman Returns de 1992, ambos dirigidos por Tim Burton.

    Bem, sem mais demora e me desculpando os erros técnicos e de informação, já que é um vídeo teste, aí está:

    continue lendo
  • I Mostra de Desenho do Liceu Maranhense

    Garcia Junior

    A I Mostra de Desenho do Centro de Ensino Médio Liceu Maranhense tem como objetivo exibir à comunidade escolar o talento de alunos e alunas das 3 séries nos 3 turnos do Ensino Médio na linguagem artística do Desenho. Importante frisar que o evento não terá caráter competitivo entre os participantes justamente para estimular a livre participação independente do nível de técnica e estilo nos trabalhos.

    OBJETIVOS.

    • Estimular a produção artística dos alunos(as) do Liceu Maranhense especificamente na linguagem de Desenho.
    • Expor os trabalhos de Desenho dos alunos(as) para a comunidade escolar e profissionais de Desenho e Ilustração convidados.
    • Debater sobre o tema “Profissão: desenhista” com mesa-redonda composta por profissionais destacados de Desenho e Ilustração do Maranhão que atuam no mercado publicitário, editoras de livros e histórias em quadrinhos nacionais e internacionais.
    • Formar repertório criativo e currículo de exposição para os aluno(as) participantes.

    MESA-REDONDA.

    A mesa-redonda será composta por profissionais de Desenho e Ilustração destacados no mercado, tanto no ramo publicitário, quanto em editoras de livros e histórias em quadrinhos nacionais e internacionais. O tema da mesa-redonda será “Profissão: desenhista” em que os participantes falarão sobre os desafios da atividade profissional no Brasil e Maranhão, trajetórias de vida e influências artísticas, principais trabalhos realizados e dicas e sugestões para os iniciantes na área.

    Os profissionais também exibirão seus trabalhos publicados e conversarão com os participantes/expositores sobre os trabalhos expostos possibilitando uma conversa mais pessoal para dicas direcionadas. Profissionais confirmados:

    Marcos Caldaswww.facebook.com/marcoscaldasilustrador;

    Rômulo Freirewww.facebook.com/rom.freire e www.romfreire.com;

    Ronilson Freirewww.facebook.com/ronilson.freire e www.ronilsonfreire.com;

    Ricardo Ponteswww.facebook.com/ricardo.pontes.12 e www.ricpontes.blogspot.com.br 

    Beto Nicácio - www.facebook.com/beto.nicacio e www.poderdaimagem.blogspot.com

    continue lendo
  • Linguagem Visual – slides de aulas de Arte

    Compartilho com os leitores do Blogarte os slides de aulas atualizados e revisados sobre Linguagem Visual. São dois materiais – um slide sobre “Comunicação e Linguagem” e outro sobre “Elementos Básicos da Linguagem Visual”. Em breve atualizo com um novo post com um slide sobre “Fundamentos da Composição” encerrando esse conteúdo. Os slides são parte do material didático da Apostila de Arte – Artes Visuais, elaborado por mim. A utilização é gratuita e só peço que mantenha o crédito de minha autoria, divulgue o Blogarte e comente aqui a respeito do material didático com sugestões de acréscimos ou revisões.

     

    Prof. Garcia Junior – Arte-Educador e Designer Gráfico.

    ———————————————————————————————-
    ATUALIZAÇÃO: Aqui está a Parte 8: Fundamentos Compositivos da Linguagem Visual em que você pode aprender um pouco sobre como nós percebemos as imagens e como podemos construí-las.

    continue lendo
  • “Super-fórmula” na luta contra o Câncer.

    A JWT Brazil apresenta a “Super-fórmula” na luta contra o Câncer.

    O primeiro passo na luta contra o Câncer é acreditar na cura. Mas o tratamento por quimioterapia é difícil, especialmente para as crianças. Para ajudá-las a acreditar na cura foi feito um trabalho da JWT Brazil com o centro de Tratamento de Câncer A.C.Camargo junto com a Warner Bros., para criar uma ideia capaz de mudar a percepção negativa da quimioterapia.

    Transformando a quimioterapia numa “Super-fórmula”

    Foram desenhadas capas baseadas nos heróis da Liga da Justiça para os sacos de medicamentos intravenosos que levam horas para serem aplicados aos pequenos pacientes, criando assim, pela primeira vez, uma versão mais amigável, menos amedrontadora para as crianças. Co-desenvolvida com os médicos, as capas são facilmente esterilizadas e manuseadas de acordo com os padrões de cuidado higiênico necessários. Para dar às capas um sentido mais poderoso foram produzidos uma série de animações e revistas em quadrinhos com os super-heróis passando por experiências similares às crianças com Câncer e acabam recuperando suas forãs graças à “Super-fórmula”

    Para que a experiência fosse muito além das capas também foi providenciada toda uma nova ambientação na Ala Pediátrica: a sala de jogos virou a “Sala de Justiça”, as portas e corredores foram decorados com o mesmo tema e a parte externa recebeu uma entrada exclusiva para os pequenos heróis.

    Esta é ideia que, desde que foi implantada, está ajudando as crianças na sua luta contra um dos maiores super-vilões do mundo real.

    Tradução livre do texto de apresentação do Youtube: Garcia Junior.

    Como fã de história em quadrinhos desde criança e até hoje com quase 37 anos, e como alguém que combateu o Câncer duas vezes e ainda não pode se considerar curado, mas recuperado e em observação, essa campanha me fez chorar por tocar diretamente no imaginário da criança em projetar uma força mental pra resistir aos péssimos efeitos colaterais da quimioterapia e do isolamento e estranheza da internação necessária. Que isso sirva de exemplo aos demais centros de tratamento de Câncer para ser aplicado e ajudar as crianças a superar essa dificuldade. Garcia Junior.

     

    Client: Hospital A.C.Camargo Cancer Center
    CCO: Ricardo John
    Head of Art: Fabio Simões
    Creative Director: Hernan Rebalderia & Santiago Dulce
    Art Director: Guilherme Sakosigue
    Copywriter: Fabio Ozorio
    Account Team: Luciana Rodrigues, Yves Rodrigues
    Planing: Fernand Alphen, Isabella Mulholland, Stella Pirani
    Media: Aline Moda, João Dabbur, André Sanchez
    Advertiser Supervisor: Irlau Machado Filho, Adriana Seixas Braga e Luciana Del Nero
    Broadcast Director: Marcia Lacaze
    Art Buyer: Paula Ferrari
    Graphic Producer: Flavio Schaefer / Flavio Colella
    Photographer: Regis Fernandez
    Animation Production Company: Vetorzero
    Executive Production: Eliza Flores
    Director: Andre Sernaglia
    C0-Director: Marcelo Fahd
    Illustration: Marcelo Fahd, Felipe Kimio, Fernando Ricciopo
    Animation: Fernando Ricciopo
    Pos Production – Animation: Fernando Ricciopo, Marcelo Akira
    Videocase Prodction Company: HungryMan
    Director: Gualter Pupo
    Mounting: Ricardo Mehedff
    Sound Production Company: ShuffleVideocase -
    Finishing: HungryMan
    continue lendo
  • “Turma da Mônica – Laços”. Releitura em graphic novel dos clássicos personagens de quadrinhos brasileiros.

    Depois de meses de mistério, Sidney Gusman, o responsável pelo Planejamento Editorial da Maurício de Sousa Produções finalmente revelou no dia 10 de abril de 2013, a capa e as primeiras imagens da segunda Graphic MSP: Turma da Mônica  - Laços, dos já renomados irmãos Vitor Cafaggi e Lu Cafaggi. Vitor e Lu possuem a qualidade de tornar mágico e encantador tudo o que tocam!

    A imagem que vinha sendo divulgada abaixo era apenas um teaser e não a capa como o próprio Sidney Gusman fazia questão de esclarecer.

    Esse projeto, já anunciado a mais de um ano, tem como objetivo produzir álbuns de luxo feitos por artistas de fora do estúdio com histórias fechadas e temáticas mais adultas revisionando o universo de Maurício de Sousa. A artista Priscilla Tramontano fez a cor de base em várias páginas. Lembrando que o lançamento da Graphic MSP de Vitor e Lu Cafaggi chega às bancas e livrarias na primeira quinzena de maio de 2013.

    O primeiro número foi Astronauta- Magnetar de Danilo Beyruth lançado em outubro de 2012. Obra elogiadíssima com três indicações para o Troféu HQ Mix nas categorias de desenhista, roteirista e edição especial, também vai ser publicada na Europa.

     

    Curtam o preview das páginas da Graphic Novel da Turma da Mônica.

     

     

     

     

    Junto com as imagens também foi liberado um texto que estará na quarta capa do álbum. Quem escreve é o diretor Carlos Saldanha de filmes como Era do Gelo e RioNa história, a turma vai em busca do Floquinho, o cachorro do Cebolinha que está perdido. A trama tem muito do filme Conta Comigo, sucesso dos anos de 1980 estrelado por River Phoenix. Mas também existem muitas referências a outros sucessos da época. Sidão (Sydnei Gusman), confessou ter chorado de emoção ao final da história, o que não é nem um pouco surpreendente tratando-se de uma obra de Vitor Cafaggi e Lu Cafaggi com cores de base da Pricilla Tramontano em várias páginas.

    “Que tal a Magali e a Mônica no dia em que se conheceram, no traço da Lu Cafaggi? ” (Sidney Gusman)

    “Cena noturna da #GraphicMSP Turma da Mônica – Laços, no traço do Vitor Cafaggi. O que será que a Turminha viu?” (Sidney Gusman)

    “Em Turma da Mônica – Laços, não podia faltar um plano infalível! Arte de Vitor Cafaggi” (Sidney Gusman)

    “Pegue o babador e veja o Floquinho filhote, no traço exuberante da Lu Cafaggi. “ (Sidney Gusman)

    “O genial animador e diretor Carlos Saldanha, de A Era do Gelo, assina o texto de quarta capa de Turma da Mônica – Laços. Olha só o que ele escreveu sobre o trabalho de Vitor cafaggi e Lu Cafaggi!”  (Sidney Gusman)

    E para finalizar uma homenagem de Lancast Mota, roteirista da Maurício de Sousa Produções:
    “O Lancast Mota, roteirista da Maurício de Sousa Produções, gostou tanto dos previews da Graphic MSP Turma da Mônica – Laços, que agradeceu assim a Vitor Cafaggi e Lu Cafaggi.”  (Sidney Gusman)
    continue lendo
  • Vikings – Identidade Visual da série

    • A série de ação, drama e história Vikings estreou em março deste ano no History Channel e está se destacando por uma ótima produção, ação bem feita, fotografia belíssima e atuações interessantes. Mas o que me chamou atenção em primeiro lugar foi o símbolo e logotipo da série que traduz muito bem o conceito e proposta do programa. A criação da Identidade Visual e demais elementos gráficos ficou a cargo do estúdio Platige, especializado em desenvolvimento criativo projetando animações em 3D, computação gráfica e efeitos especiais compreendendo cerca de 150 profissionais (designers gráficos, diretores de arte, de fotografia, etc). Segundo o estúdio, a tarefa de criar a identidade visual da série foi captar o espírito da cultura Viking  através de vários elementos pictóricos transmitindo a cultura, história e tradição desse povo.

      Fonte: Behance  
    •  
    •  
    •  
    •  
    •  
    •  
    •  
    •  
    •  
    •  
    •  
    •  
    •  
    •  
    •  
    continue lendo
  • RSS
  • Facebook
  • LinkedIn
  • Twitter
  • YouTube